As bactérias intestinais desencadeiam doenças autoimunes?Notícias de Saúde

Quinta, 15 de Março de 2018 | 121 Visualizações

Fonte de imagem: elnuevodiario

As bactérias do intestino delgado podem deslocar-se para outros órgãos e desencadear uma resposta imunitária, indica um novo estudo.
 
O estudo que foi conduzido em ratinhos, por uma equipa de investigadores da Faculdade de Medicina da Universidade de Yale, EUA, apurou ainda que aquela reação autoimune pode ser suprimida com um antibiótico ou vacina produzidos para atuarem sobre a bactéria.
 
As bactérias intestinais estão associadas a uma série de doenças que incluem as autoimunes em que o próprio sistema imunitário ataca tecidos saudáveis.
 
Os investigadores neste estudo descobriram, em ratinhos, que a bactéria Enterococcus gallinarum que vive nos intestinos tem a capacidade de se deslocar espontaneamente para o fígado, baço e nódulos linfáticos.
 
Com efeito, os investigadores observaram que a bactéria iniciou a produção de anticorpos e de inflamação, que é um identificador da resposta autoimunitária. A equipa confirmou aquele mecanismo em células de cultura de humanos saudáveis, assim como a presença da Enterococcus gallinarum no fígado de pacientes com doenças autoimunes.
 
A equipa conduziu ensaios adicionais e descobriu que era possível suprimir a autoimunidade em ratinhos com um antibiótico ou com uma vacina que atuavam sobre a bactéria, suprimindo a sua proliferação e cortando o seu efeito sobre o sistema imunitário. 
 
Estes achados poderão dar lugar a novas abordagens para o tratamento das doenças autoimunes crónicas como o lúpus sistémico e a doença hepática autoimune.
 
“A vacina contra a E. gallinarum consistiu numa abordagem específica, já que a vacinação contra outras bactérias que investigámos não evitaram a mortalidade e a autoimunidade”, explicou Martin Kriegel, autor sénior do estudo. A vacina foi administrada através de injeção no músculo para evitar atuar sobre outras bactérias intestinais.

Partilhar esta notícia
Referência
Estudo publicado na revista “Science”