Apenas dois refrigerantes por semana aumentam risco de diabetes tipo 2Notícias de Saúde

Terça, 07 de Novembro de 2017 | 41 Visualizações

Fonte de imagem: redOrbit

Um estudo recente sugeriu que as bebidas açucaradas como refrigerantes e sumos poderão fazer aumentar o risco de diabetes de tipo 2 e de outros problemas.
 
O estudo, que foi de revisão de 36 estudos sobre os efeitos cardiometabólicos do consumo de bebidas açucaradas ao longo dos últimos 10 anos, foi conduzido por uma equipa de investigadores liderada por M. Faadiel Essop, da Universidade de Stellenbosch, na África do Sul. 
 
A análise efetuada aos estudos indicou também que o consumo de bebidas açucaradas está associado à síndrome metabólica, ou seja, um conjunto de fatores de risco que contribuem para aumentar o risco de se desenvolver doenças cardíacas, acidente vascular cerebral (AVC) e diabetes.
 
Os estudos sobre a alimentação e a diabetes analisados revelaram que o consumo de apenas duas bebidas açucaradas por semana estava associado a um maior risco de diabetes de tipo 2. Mais, muitos dos estudos demonstraram ainda que o consumo de uma bebida desse género por dia fazia aumentar a tensão arterial.
 
Os fatores de risco englobam níveis elevados de triglicerídeos, obesidade abdominal, hipertensão, níveis de glicose elevados em jejum e níveis reduzidos de colesterol HDL, ou bom colesterol.
 
“A nossa análise revelou que a maioria dos estudos epidemiológicos mostram fortemente que o consumo frequente daquelas bebidas contribui para desencadear a síndrome metabólica, a diabetes e hipertensão”, explicou o autor principal do estudo.
 
M. Faadiel Essop indicou ainda que o consumo destas bebias está a aumentar cada vez mais em todas as idades e por todo o mundo e que é necessário sensibilizar as populações para os riscos do consumo excessivo dos refrigerantes e bebias com açúcar adicionado.
 
A organização Mundial de Saúde estima que as doenças cardiometabólicas sejam responsáveis por 19 milhões de morte anuais. 

Partilhar esta notícia
Referência
Estudo publicado na “Journal of the Endocrine Society”

Notícias Relacionadas

Info-Saúde Relacionados