Antipiréticos podem a ajudar a propagar a gripeNotícias de Saúde

Sexta, 24 de Janeiro de 2014 | 42 Visualizações

A toma de antipiréticos, medicamentos que diminuem a temperatura corporal se esta for superior ao normal, pode favorecer a disseminação do vírus da gripe, defende um estudo publicado nos “Proceedings of the Royal Society B”.

“Quando as pessoas ficam com gripe tomam frequentemente medicação para reduzir a febre. Ninguém gosta de se sentir mal, mas este conforto pode ter como custo a infeção dos indivíduos que as rodeiam”, revelou, em comunicado de imprensa o líder do estudo, David Earn.

O investigador da Universidade de McMaster, no Canadá, acrescentou que, “uma vez que a febre pode na realidade diminuir a carga viral presente no organismo e diminuir a possibilidade de transmissão da doença, a toma de fármacos antipiréticos pode aumentar a sua transmissão. Descobrimos que este aumento tem efeitos significativos quando escalamos ao nível da população total”.

De forma a chegarem a estas conclusões os investigadores reuniram informação de diversas fontes, incluindo furões, o melhor modelo animal para o estudo do vírus influenza, e voluntários humanos. Com o auxílio de um modelo matemático, os investigadores calcularam como a quantidade de vírus transmitida pelas pessoas que tomavam antipiréticos poderia aumentar o número de casos da gripe num ano típico ou em anos em que uma nova estirpe do vírus tinham causado uma pandemia.

O estudo apurou que a supressão da febre aumentou o número de casos anuais em aproximadamente cinco por cento, o que corresponde a mais de 100 mortes adicionais causadas pela gripe num ano típico na América do Norte.

“Estes resultados são importantes na medida em que nos podem ajudar a compreender como diminuir a propagação deste vírus de uma forma mais eficaz”, referiu um outro autor do estudo, David Price.

De acordo com este investigador, a mãe natureza tem sempre razão. A febre é um mecanismo de defesa que nos protege um dos outros. Os antipiréticos devem apenas ser administrados para retirar o desconforto e não para as pessoas saírem de casa e entrarem em contacto com outras.

“As pessoas são frequentemente aconselhadas a tomarem a este tipo de fármacos, os quais os textos médicos afirmam ser inofensivos. Esta visão tem que ser alterada, concluíram os investigadores.

Partilhar esta notícia
Autor
Estudo publicado nos “Proceedings of the Royal Society B” / Alert
Referência
Investigador da Universidade de McMaster, no Canadá

Notícias Relacionadas

Info-Saúde Relacionados