Antidepressivo mais eficaz a caminho?Notícias de Saúde

Sexta, 24 de Março de 2017 | 110 Visualizações

Fonte de imagem: HypeScience

Um novo estudo apurou que a inibição de uma enzima faz reduzir os sintomas de depressão em ratinhos.

O estudo conduzido por uma equipa de investigadores liderada por Abraham Palmer, da Escola de Medicina de San Diego, Universidade da Califórnia, EUA, descobriu que a inibição da enzima glioxalase-1 (GLO-1) faz inibir, por seu turno, um produto derivado do metabolismo celular. Este produto derivado inibe os neurónios e influencia o estado de humor e o comportamento.

Para o estudo os investigadores dividiram os ratinhos em três grupos. A um grupo administraram o novo tratamento; outro grupo foi tratado com Prozac; o terceiro grupo não recebeu qualquer tratamento.

Foram conduzidos vários testes à depressão bem conhecidos de forma a determinar o impacto da inibição da enzima GLO-1.

Os resultados dos testes demonstraram que a inibição da enzima GLO-1 tinha feito reduzir os sintomas de depressão nos ratinhos em apenas cinco dias, enquanto o grupo que recebeu o Prozac só começou a demonstrar melhorias após 14 dias de tratamento com aquele medicamento.

A coautora do estudo Stephanie Dulawa, professora de psiquiatria na Escola de Medicina de San Diego, mostrou-se otimista com os resultados: “não existem de momento quaisquer antidepressivos de ação rápida, sendo que encontrar algo assim é pouco usual”.

Estes achados poderão conduzir ao desenvolvimento de medicação antidepressiva mais eficaz. Abraham Palmer e colegas começaram já a colaborar com farmacêuticos da Escola de Medicina de San Diego com o objetivo de desenvolverem inibidores da enzima GLO-1 para humanos, embora esse trabalho possa demorar anos.

Segundo o investigador, “a depressão afeta pelo menos 1 em cada 6 pessoas ao longo da vida e são urgentemente necessários melhores tratamentos. Um melhor entendimento das bases moleculares e celulares da depressão vai-nos ajudar a encontrar melhores caminhos para inibir ou neutralizar o seu desenvolvimento ou severidade”.

Partilhar esta notícia
Referência

Notícias Relacionadas