Antibióticos em medicina dentária são desnecessários em 81% dos casosNotícias de Saúde

Quinta, 06 de Junho de 2019 | 11 Visualizações

Fonte de imagem: Medscape

Os antibióticos prescritos como profilaxia antes de um procedimento de medicina dentária são desnecessários nuns esmagadores 81% dos casos, atestou um novo estudo.
 
O estudo que foi conduzido por Jessina McGregor da Universidade do Estado de Oregon, EUA, e equipa de investigadores, teve por base a análise de 168.420 prescrições de antibióticos passadas por dentistas, entre 2011 e 2015, nos EUA.
 
As prescrições tinham sido passadas como tratamento profilático a 91.438 pacientes que tinham uma mediana de idades de 63 anos.
 
Das consultas de medicina dentária consideradas para o estudo, foi observado que 90,7% contemplavam a manipulação da gengiva ou periápice do dente. Porém, apenas 20,9% dos pacientes envolvidos no estudo apresentavam um problema cardíaco com o risco máximo de resultados adversos na sequência de uma endocardite infeciosa. 
 
A clindamicina foi o antibiótico mais prescrito nos casos em que aquele tipo de fármacos era desnecessário. 
 
Sendo assim, 80,9% das prescrições profiláticas analisadas não estavam de acordo com as diretrizes médicas recomendadas atualmente. 
 
Jessina McGregor concluiu que “os antibióticos preventivos naqueles pacientes lhes ofereceram riscos que ultrapassam os benefícios”.
 
Segundo os autores, os resultados deste estudo poderão ser uma oportunidade para os dentistas reavaliarem a necessidade da prescrição preventiva de antibióticos.
 
Como se sabe, os antibióticos prescritos quando não são necessários expõem os utilizadores a riscos de efeitos secundários desnecessários e contribuem para o problema da resistência àquele tipo de fármacos. 

Partilhar esta notícia
Referência
Estudo publicado na revista “JAMA Network Open”

Notícias Relacionadas