Ansiedade: poderá o perímetro da cintura ser o culpado?Notícias de Saúde

Sábado, 10 de Março de 2018 | 20 Visualizações

Fonte de imagem: Lehigh Center

Um estudo sugere que a quantidade de gordura abdominal de uma mulher pode fazer aumentar a possibilidade de a mesma desenvolver ansiedade. 
 
A ansiedade pode ser causada por muitos fatores, sendo mais uma das doenças mentais mais comuns e afeta mais as mulheres, com especial incidência na meia-idade.
 
Para o estudo que foi conduzido por uma equipa de investigadores de várias instituições da América Latina, nomeadamente o Peru, foram recrutadas 5.580 mulheres de meia-idade oriundas de países da América Latina, com uma média de idades de 49,7 anos.
 
Os investigadores analisaram o rácio cintura/altura das participantes para estudarem uma possível relação entre uma cintura mais alargada e o desenvolvimento de ansiedade nas mulheres. O rácio cintura/altura é considerado o indiciador que melhor avalia o risco cardiometabólico. Uma mulher é considerada obesa se o perímetro da sua cintura medir mais de metade da sua altura. 
 
Foi verificado que 58% das mulheres se encontravam na pós-menopausa e que 61,3% relatavam sofrer de ansiedade.
 
Os investigadores descobriram que as mulheres que se encontravam no terço médio e superior dos rácios cintura/altura tinham uma propensão significativamente maior de terem ansiedade, e que as no terço superior eram mais propensas a evidenciarem sinais de ansiedade em comparação com as dos dois terços inferiores.
 
“Alterações hormonais poderão estar envolvidas no desenvolvimento tanto da ansiedade como da obesidade abdominal devido às suas funções no cérebro, assim como na distribuição da gordura”, comentou JoAnn Pinkerton, diretora executiva da Associação Norte-Americana da Menopausa.
 
“Este estudo proporciona dados valiosos para os prestadores de cuidados de saúde que tratam de mulheres de meia-idade porque indicia que o rácio cintura/altura pode constituir um bom marcador para avaliar a ansiedade nas pacientes”, rematou. 

Partilhar esta notícia
Referência
Estudo publicado na “Menopause”

Notícias Relacionadas

Info-Saúde Relacionados