Angola vive pior surto de febre amarela em 30 anos com 178 mortosNotícias de Saúde

Sexta, 25 de Março de 2016 | 75 Visualizações

Fonte de imagem: diariodonordeste

Angola enfrenta o maior surto de febre-amarela dos últimos 30 anos e a doença já infetou mais de 450 pessoas e matou 178 no país, informou esta quinta-feira a Organização Mundial de Saúde (OMS).

Registada inicialmente em Luanda em dezembro do ano passado, a doença já se espalhou a seis das 18 províncias angolanas, tornando-se a primeira epidemia de febre-amarela no país em 30 anos, acrescentou a organização num comunicado hoje divulgado, no qual alerta para a falta de vacinas.

A OMS informa que até hoje foram vacinadas 5,7 milhões de pessoas em Luanda contra a febre-amarela, mas acrescenta que atualmente há uma escassez global de vacinas, com "a reserva de emergência completamente esgotada".

Leia também: Os 12 vírus mais perigosos do mundo

Mais 1,5 milhões de doses são necessárias para vacinar a população de risco apenas na província de Luanda, alerta a OMS.

Com a doença a espalhar-se para outras províncias em Angola e o aumento do número de casos importados em outros países de África, a OMS pede que seja dada prioridade à vacinação das pessoas em maior risco.

A organização diz estar em discussões com a indústria e outros parceiros para desviar carregamentos de vacinas destinados a programas de vacinação de rotina até que a reserva de emergência seja reabastecida.

Maioria dos casos em Luanda

"Estes surtos normalmente acontecem em florestas tropicais. Com a maioria dos casos registados na capital, Luanda, a situação é mais perigosa e difícil de conter, porque a doença pode transmitir-se facilmente de uma pessoa para outra", alertou Sergio Yactayo, especialista em doenças epidémicas da OMS, citado no comunicado.

A febre-amarela é transmitida por mosquitos infetados, nomeadamente pelo 'Aedes aegypti', o mesmo que transmite o virus Zika e o Dengue.

Provoca sintomas como febre, dores de cabeça, dores musculares, náuseas, vómitos e cansaço e uma pequena percentagem das pessoas infetadas experiencia uma fase mais severa da doença, com febres altas, icterícia e hemorragias internas.

Pelo menos metade das pessoas gravemente doentes que não recebem tratamento acaba por morrer.

Angola é um dos 34 países africanos onde a febre-amarela existe e é recomendada a vacinação.

Desde o início deste surto em Angola foram identificados casos importados de febre-amarela em países como a China, a República Democrática do Congo (RDCongo) e o Quénia, diz a OMS

A Namíbia e a Zâmbia estão em alerta para identificar eventuais casos importados.

Partilhar esta notícia
Autor
Lusa
Referência

Notícias Relacionadas

Info-Saúde Relacionados