Alta resistência a antibióticos pode ser causada por baixa exposição aos mesmosNotícias de Saúde

Quinta, 26 de Abril de 2018 | 8 Visualizações

Fonte de imagem: Healthline

Um novo estudo demonstrou que baixas concentrações de antibióticos podem causar uma elevada resistência aos mesmos por parte das bactérias.
 
A resistência bacteriana aos antibióticos é atualmente um problema de saúde global e em franca expansão. É, neste sentido, importante perceber a origem e mecanismo de desenvolvimento de resistência nas bactérias àquele tipo de fármacos.
 
Para o estudo, conduzido por uma equipa de investigadores da Universidade de Uppsala, na Suécia, foi efetuado um ensaio clínico em que foram analisados os efeitos da exposição prolongada de níveis reduzidos de antibióticos sobre a resistência bacteriana. 
 
A equipa descobriu que, com o tempo, as bactérias que tinham sido expostas a pequenas doses de antibióticos desenvolveram uma resistência bacteriana mais de 1.000 vezes superiores ao nível inicial.
 
Adicionalmente foi observado que as mutações no ADN das bactérias que causam a resistência eram diferentes de quando as bactérias são expostas a doses elevadas de antibióticos. 
 
Durante o ensaio, as bactérias eventualmente adquiriram inúmeras mutações. Cada mutação provocava baixa resistência; no entanto, em conjunto as mutações adquiriram uma resistência muito elevada. 
 
Mais, as mutações foram observadas em genes que se pensava serem tipicamente resistentes, o que sugere que o número de genes capazes de provocarem resistência bacteriana poderá ser na realidade muito superior ao que se pensa.
 
Os investigadores lembraram que quando se toma antibióticos, uma grande parte é expelida com a urina no seu estado ativo, podendo entrar nos cursos de água, lagos e esgotos, dotando esses ambientes de pequenas doses de antibióticos. Não se pode esquecer igualmente, os antibióticos dados aos animais para produção de carne que podem chegar aos humanos através da alimentação. 

 

Partilhar esta notícia
Referência
Estudo publicado na revista “Nature Communications”

Notícias Relacionadas