Alimentos ultraprocessados podem aumentar risco de morteNotícias de Saúde

Sexta, 15 de Fevereiro de 2019 | 15 Visualizações

Fonte de imagem: Yahoo Finance

O consumo de alimentos ultraprocessados pode fazer aumentar o risco de morte, sugere um estudo recente.
 
São considerados ultraprocessados os alimentos que tenham sido produzidos através de processos industriais, contendo uma data de ingredientes, sendo ricos em gordura, sal ou açúcar e com um teor muito baixo de fibra. Os refrigerantes, as refeições pré-preparadas, carnes processadas, pão e doces são alguns exemplos de alimentos ultraprocessados.  
 
Segundo os autores do estudo, da Universidade da Sorbonne em Paris, França, os produtos alimentares ultraprocessados estão já associados a várias doenças como obesidade, hipertensão e até cancro.
 
Para a sua investigação, a equipa seguiu 44.551 franceses com 45 anos ou mais de idade durante uma média de 7,1 anos.
 
Os participantes completaram um formulário em que prestavam informação relativamente à sua alimentação, estilo de vida, altura, peso, prática de atividade física e estatuto socioeconómico. 
 
O consumo de alimentos ultraprocessados foi, segundo a equipa, associada a ser mais jovem, a ter habilitações académicas e rendimentos mais baixos, um índice de massa corporal mais elevado, menor prática de exercício físico e viver sozinho.
 
Como esperado, foi verificado que, mesmo após considerados vários fatores, o consumo de níveis mais elevados de produtos alimentares ultraprocessados foi associado a um risco maior de mortalidade por todas as causas. 
 
Os investigadores descobriram que por cada 10% de subida na quantidade de alimentos ultraprocessados consumidos, o risco de morte aumentava em 14%.
 
A equipa admite que o impacto negativo dos alimentos ultraprocessados sobre a longevidade poderá estar relacionado com o conteúdo elevado de sal, açúcar, gordura, aditivos artificiais e pouca fibra.

Partilhar esta notícia
Referência
Estudo publicado na “JAMA Internal Medicine”

Notícias Relacionadas