Álcool e ansiedade. Os sinais a que deve prestar atençãoNotícias de Saúde

Sexta, 02 de Junho de 2017 | 40196 Visualizações

Fonte de imagem: Unimed

O álcool e ansiedade são dois fatores que tendem a não combinar.

A ingestão regular de bebidas alcoólicas, especialmente se feita em excesso, pode ser uma das causas para o aparecimento da ansiedade, mas também um dos principais trampolins para o seu agravamento.

Embora a ingestão de um copo de vinho por dia seja benéfica e até ajude a relaxar, a verdade é que consumir mais do que isso e/ou optar por outro tipo de bebidas pode mesmo fazer pior do que o esperado.

“O álcool é um sedativo e depressivo e, como resultado, pode ter um efeito calmante e relaxante”, começa por explicar ao Bustle a médica Kim Raby, que continua: “No entanto, o álcool também é uma toxina que pode causar estragos no corpo, tanto a nível psicológico como físico”. E isto porque o álcool “muda os níveis de serotonina e afeta os neurotransmissores do cérebro”, o que faz com que desencadeie sintomas de ansiedade ou até os agrave quando estes são já frequentes.

Prestar atenção a alguns sinais que o corpo dá e a alguns momentos comuns nos dias que sucedem a ingestão de bebidas alcoólicas é a melhor forma de perceber se o álcool é ou não um dos motivos para a ansiedade que sente.

De acordo com a médica, são estes os sinais aos quais deve prestar atenção. Trata-se de uma espécie de ciclo vicioso que não só culpa o álcool pela ansiedade como pode ser também uma forma clara de provar que a pessoa pode estar viciada neste tipo de bebidas:

1 – Preocupação sobre o que fez na noite anterior, mesmo quando se sabe que nada foi feito de errado;

2 – Ter ataques de pânico, que podem ser ainda mais intensos e frequentes com a ingestão de álcool;

3 – Ter comportamentos de risco quando se está sob o efeito do álcool e que nada mais fazem do que aumentar consideravelmente a ansiedade quando se está sóbrio. “Por exemplo, ter sexo desprotegido e depois ficar preocupado com a possibilidades de ter contraído uma doença sexualmente transmissível”, diz a médica;

4 – Ter ‘brancas’ e ficar obcecado com a ideia de ter de saber tudo o que aconteceu na noite anterior;

5 – Fazer demasiadas pesquisas online sobre os riscos do álcool;

6 – Beber às escondidas dos amigos e familiares;

7 – Perda de tolerância. “A pessoa bebe, sente-se relaxada e, assim que o álcool se apodera, a ansiedade começa a desaparecer (…) e a pessoa começa a beber mais à procura desse mesmo efeito mas na verdade é que perde a batalha pois esse mesmo comportamento é o que pode estar a piorar a ansiedade”.

Partilhar esta notícia
Referência

Notícias Relacionadas

Info-Saúde Relacionados