Ajude o seu filho a ler melhor e mais depressa com estas dicasNotícias de Saúde

Sábado, 17 de Setembro de 2016 | 56 Visualizações

Fonte de imagem: Huffingtonpost

O regresso às aulas é um dos momentos mais aguardados pelas crianças, mas também dos que mais stress pode provocar. E a capacidade de leitura e interpretação pode ficar afetada.

Nos primeiros anos de escola, a leitura em voz alta é um dos momentos mais temidos pelas crianças, especialmente entre aquelas que não se sentem confortáveis com a sua capacidade de leitura.

Estimular a confiança é importante, mas mais do que isso é necessário treinar a leitura e ensinar aos mais novos alguns truques que permitem ler bem e mais depressa sem que a qualidade da compreensão do texto fique comprometida.

Segundo o site motto, da revista Time, os pais devem acompanhar os filhos nos treinos de leitura e assegurar que existe o mínimo de movimento por parte dos olhos, pois só assim a criança é capaz de concentrar as atenções nas palavras que está a ler. Usar o dedo é uma das técnicas mais comuns, mas deve ser apenas um recurso inicial, devendo os pais ensinar os filhos que cada linha de leitura requer apenas entre um a dois movimentos dos olhos, e não os oito a dez comuns entre as crianças.

O movimento dos olhos pode ser treinado com alguns exercícios, como estes. Contudo, os pais devem sempre incentivar a leitura ao máximo, de forma a que seja um hábito rotineiro e que deixe de ser um ‘bicho-papão’.

De acordo com a publicação, um outro truque eficaz para ajudar os mais novos a lerem melhor e mais depressa é a eliminação da voz interior que acompanha a leitura. Quando uma pessoa está a ler ou a escrever, ouve uma voz interna que relata o que está a ser escrito ou lido. Para um adulto, esta situação é normal e nada interfere com o que está a fazer, mas para uma criança pode ser confuso e interferir com a qualidade da leitura.

Ler em voz alta e acelerando gradualmente a forma como são ditas as palavras ajuda a não ouvir tal voz e a treinar a velocidade de leitura.

Partilhar esta notícia
Referência
Daniela Costa Teixeira