Agressividade em pequenos tumores da tiroide aumenta probabilidade de metástasesNotícias de Saúde

Sexta, 13 de Março de 2020 | 35 Visualizações

Fonte de imagem: The Star Online

Um estudo liderado por Zaid Al-Qurayshi da Universidade dos Hospitais e Clínicas do Iowa, EUA, revela que a agressividade do carcinoma papilar da tiroide é mais comum nos tumores com menos de 1cm.
 
Apesar de o carcinoma papilar da tiroide ser a forma mais comum de tumor maligno na tiroide, é uma doença que progride lentamente e que oferece prognósticos geralmente positivos. Por isso, opta-se por acompanhar os doentes de perto em vez de os submeter a cirurgia.
 
Contudo, um estudo de grande escala revela que cerca de 20% dos doentes com tumores papilares da tiroide com menos de 1cm têm sinais patológicos de maior agressividade tumoral, aumentando o risco de metástases.
 
O carcinoma papilar da tiroide representa cerca de 70 a 90% de todas as malignidades da tiroide, sendo o microcarcinoma papilar da tiroide um subgrupo que representa 30% de todos os carcinomas papilares.
 
Al-Qurayshi explica que “existem subgrupos na população que desenvolvem cancros mais sérios e que podem pôr a vida em risco”.
 
Para a análise, os investigadores observaram 30.180 adultos dos quais 5.628 (18,7%) tinham sinais patológicos de doença avançada como metástases nos gânglios linfáticos centrais, metástases nos gânglios laterais e doença microscópica fora da tiroide, invasão dos vasos linfáticos e sanguíneos e metástases distantes.
 
A presença destas características patológicas estava associada a um maior espalhamento da doença e menor taxa de sobrevivência. Foi observado que as pessoas com a doença nos gânglios linfáticos tinham 3 vezes mais probabilidade de morte, e 6 vezes caso tivessem metástases nos pulmões.
 
Esta investigação revela que existe necessidade de análises mais sofisticadas e precisas que detetem estes sinais patológicos marcadores de agressividade para que se possa oferecer o tratamento mais adequado.

Partilhar esta notícia
Referência
Estudo publicado na revista “Journal of the American College of Surgeons”

Notícias Relacionadas

Info-Saúde Relacionados