Adoçantes não evidenciam benefícios significativos para a saúdeNotícias de Saúde

Quinta, 10 de Janeiro de 2019 | 7 Visualizações

Fonte de imagem: NPR

Um estudo não identificou factos concretos que indiquem que os adoçantes proporcionem benefícios para a saúde e não descarta a possibilidade de prejudicarem a saúde.
 
Cada vez mais pessoas optam por consumir alimentos e bebidas com adoçantes sem açúcar, em vez de consumirem o açúcar tradicional. Embora haja muitos adoçantes aprovados, pouco se sabe sobre os seus potenciais benefícios e malefícios quando consumidos regularmente.
 
Uma equipa de investigadores europeus decidiu, neste âmbito, conduzir uma meta-análise a 56 estudos que comparavam os efeitos entre a ausência de consumo ou do consumo reduzido de adoçantes e os efeitos do consumo elevado dos mesmos, em adultos e em crianças saudáveis. 
 
As medidas incluíam o controlo glicémico, cancro, peso, doenças cardiovasculares, doenças renais, saúde oral, estado de humor e comportamentos nos participantes. 
 
De forma geral, foi apurado que, segundo a maioria dos resultados, pareceu não haver diferenças relevantes do ponto de vista estatístico ou clínico entre os participantes expostos a adoçantes e os não expostos, ou entre o consumo de diferentes doses de adoçantes.
 
Por exemplo, alguns estudos de pequenas dimensões com adultos indiciavam que os adoçantes conduziam a pequenas melhorias, mas com evidências limitadas, no índice de massa corporal (IMC) e nos níveis de glicose no sangue. 
 
Outros estudos associaram o baixo consumo de adoçantes a um ganho de peso ligeiramente inferior (-0.09 kg) do que consumos mais elevados, mas também com poucas evidências.
 
Os adoçantes conduziram a um aumento menor no IMC do que o açúcar tradicional, em crianças. No entanto, o consumo de adoçantes não fez diferença no peso corporal. Nos adultos e crianças com excesso de peso ou obesos que tentavam perder peso, os adoçantes não demonstraram nenhum efeito benéfico visível. 

Partilhar esta notícia
Referência
Estudo publicado na revista “BMJ”