A verdade sobre a dieta paleoNotícias de Saúde

Quarta, 10 de Junho de 2015 | 212 Visualizações

Para replicar a dieta do paleolítico, seria, portanto necessário, começar a comer a maioria dos alimentos crus, assim como ingerir também os ossos

Muito polémica existe em volta da dieta paleo.

Seguida por um sem número de pessoas, apoiada por muitas mais, criticada por tantos.

Os artigos em volta da mesma são tantos e as opiniões de certa forma tao contraditórias que fazem parecer complicado.

Mas será que alguém efetivamente procurou ler os estudos, ou mesmo pensar logicamente sobre a dita dieta do paleolítico?

Ora bem, a dieta do paleolítico visa replicar o plano alimentar dos nossos antepassados, antepassados estes, onde se estima, já terem cessado há mais de 10.000 anos.

A ideia por detrás da dieta do paleolítico, consiste no facto que o nosso corpo não se conseguiu adaptar à evolução da agricultura e como tal não suporta grande parte dos alimentos presentes na alimentação hoje em dia.

Sendo essa uma das possíveis causas das crescentes doenças como a diabetes, hipertensão, osteoporose, obesidade, entre outras.

Se analisarmos de uma forma lógica, o ser humano é característico pela sua capacidade de adaptação, é isso que nos fez sobreviver tantos anos, e permanecer, dando não só continuidade, mas evoluindo para além dos outros seres vivos.

De uma forma científica, caracterizar a dieta do paleolítico como um plano alimentar que consiste em ingerir determinados alimentos independentemente da pessoa, não tem lógica.

O homem paleolítico não se deslocava muito para alem da sua área, isto quer dizer que dependendo de onde o dito cujo nasceu esses eram os alimentos que estariam disponíveis ao seu consumo.

Obviamente um homem do paleolítico residente nos polos, teria um plano alimentar com diferentes macronutrientes, de um homem residente no centro ou no sul.

Isto aparentemente já seria suficiente para desmistificar qualquer dúvida que pudesse existir na atribuição de um plano alimentar “one size fits all”.

Também me parece que seria o suficiente para desmistificar o facto de que o corpo não se adaptou, ate porque cada paleolítico adaptou-se ao ambiente e regime alimentar do local onde vivia.

Mesmo assim, se não for suficiente e se o âmbito for cumprir “a verdadeira” dieta do paleolítico, é necessário lembrar que de todos os seres vivos, nós humanos, somos dos mais fracos, pois para além da capacidade cognitiva, não temos nenhum atributo físico capaz de igual os outros.

A nossa visão, força, agilidade e velocidade, não são nada comparativamente principalmente a animais predadores.

Tendo isto em conta, não seria propriamente fácil ao paleolítico caçar o que quer que fosse ou fazer alguma coisa sem ser abordado por outros predadores, o que me leva a crer que a maioria das vezes, não quer dizer que fossem todas, mas grande parte delas, a dieta do paleolítico residia nos restos deixados pelos predadores mais fortes.

Para replicar a dieta do paleolítico, seria, portanto necessário, começar a comer a maioria dos alimentos crus, assim como ingerir também os ossos.

Aquilo que podemos aprender com o paleolítico, é que se existe algo em que somos realmente bons é a sobreviver e na nossa capacidade de adaptação.

Acreditar que não nos adaptamos à agricultura é contra natura, não quero com isto dizer que a dieta do paleolítico não funcione, efetivamente esses serão os alimentos que o nosso corpo processa da melhor forma, no entanto, como em tudo, existiu todo um processo evolutivo.

Partilhar esta notícia
Autor
Psinove
Referência

Notícias Relacionadas

Info-Saúde Relacionados