A alimentação na gravidez pode influenciar o desenvolvimento de alergias no bebé?Notícias de Saúde

Domingo, 30 de Dezembro de 2018 | 125 Visualizações

Fonte de imagem: Allergy & Asthma

A alimentação das grávidas poderá influenciar, de alguma forma, o desenvolvimento de alergias alimentares nos filhos, indicou um estudo recente.
 
Conduzido por uma equipa de investigadores liderados por Karen Robbins, alergologista no Sistema de Saúde Pediátrico Nacional, EUA, o estudo longitudinal envolveu cerca de 2.000 mulheres grávidas.
 
As grávidas foram acompanhadas a partir do terceiro trimestre da gravidez e durante o primeiro ano de vida dos respetivos bebés. 
 
Uma pequena percentagem de participantes relatou consumir menos alérgenos durante a gravidez, na tentativa de evitarem o desenvolvimento de alergias alimentares nos seus futuros bebés. 
 
Com efeito, 144 (2,9%) grávidas disseram ter restringido de alguma forma a sua alimentação para prevenir futuras alergias nos bebés, evitando os alérgenos mais importantes: 84 (1,7%) relataram consumir menos frutos de casca rija, 15 (0,3%) disseram consumir menos ovos e 2 (0,04%) disseram consumir menos laticínios.
 
Segundo Karen Robbins, de um universo alargado de participantes foram poucas as grávidas que disseram ter deixado de consumir certos alimentos para evitarem alergias alimentares nos bebés.
 
“No entanto, as mães que tinham um filho mais velho com uma alergia alimentar ou que apresentavam elas próprias alergias alimentares tinham uma maior propensão para experimentarem aquela estratégia de evitar alimentos”, disse a investigadora. 
 
Apesar das alterações alimentares, os bebés que nasceram daquelas mães tinham o dobro da propensão de terem problemas alimentares aos quatro meses de idade, mas não aos nove ou aos 12 meses de idade. Adicionalmente, aqueles bebés não apresentavam uma maior tendência para serem diagnosticados com uma alergia alimentar.
 
“Esperamos conhecer os fatores nas tomadas de decisão destas mulheres, assim como quantas se decidem a evitar alimentos como potencial estratégia de prevenir alergias alimentares nos seus bebés”, conclui Karen Robbins.

Partilhar esta notícia
Referência

Notícias Relacionadas