67% dos portugueses levam uma vida sedentáriaNotícias de Saúde

Terça, 02 de Maio de 2017 | 64 Visualizações

Fonte de imagem: University of Florida

Mais de dois terços dos portugueses vivem vidas sedentárias, com menos de hora e meia de exercício semanal, e a maioria desvaloriza a importância da atividade física, atesta um inquérito divulgado pela Fundação Portuguesa de Cardiologia.
 
Segundo apurou a agência Lusa, dos 67% dos inquiridos que são considerados sedentários, metade (49%) afirma que o exercício não é importante ou interessante para si, refletindo um aumento de seis pontos percentuais em relação a 2015, ano do inquérito anterior.
 
Entre os inquiridos sedentários, as caminhadas (25%) e o futebol (10%) são apontadas como atividade física favorita, mesmo que não sejam praticantes, mas uma percentagem de 36% diz que não gosta de qualquer exercício.
 
A percentagem de ativos diminuiu de 36% em 2015 para 33% em 2017, o que se atribui à descida na população com 45 ou mais anos, visível especialmente no Grande Porto e no Alentejo, com o Algarve a registar a única subida regional na população ativa.
 
Quanto aos 33% da população que são ativos mais de uma hora e meia por semana, 46% dizem que praticam exercício andando a pé, enquanto 17% escolhem o ginásio ou musculação e 12% o futebol. Entre os ativos, 49% vê o exercício como uma obrigação, algo que sentem que devem fazer.
 
Em média, 25% dos ativos passa cerca de duas horas a correr, um número que desceu desde 2015, quando o tempo médio semanal passado em corrida ultrapassava as três horas. Entre mais de mil pessoas entrevistadas, chegou-se à conclusão de que o tempo médio passado sentado é de 4,3 horas diárias, com uma percentagem significativa (29%) a admitir que está sentado entre cinco e dez horas por dia.
 
O inquérito foi apresentado publicamente em Lisboa, no dia 27 de abril tendo a Fundação Portuguesa de Cardiologia anunciado também a programação para as cinco semanas do Mês do Coração 2017, que se assinala em maio.
 
O objetivo é destacar as vantagens do exercício físico para a prevenção de doenças cardiovasculares.

Partilhar esta notícia
Referência