Síndrome da Classe TurísticaSaúde do Viajante

Atualizado em: Segunda, 18 de Maio de 2015 | 217 Visualizações

Saiba o que fazer para minimizar os impactos dos voos de longa duração .

Em lazer ou em trabalho, viaja-se cada vez mais. Se as preocupações dos amantes de destinos longínquos se limitassem ao desconforto causado pelas descolagens e aterragens, tudo era mais fácil.   

Infelizmente, não basta mascar pastilha elástica para acabar com o incómodo destas viagens que, por vezes, parecem não ter fim.

Na realidade, estar imóvel durante muitas horas no lugar apertado de um avião pode levar à formação de trombos nos membros inferiores e, até, originar uma embolia pulmonar fatal.  

Entre a classe médica, este tipo de trombose é conhecido como síndrome da classe turística. Saiba o que fazer para a evitar e ter uma viagem agradável.

Existem alguns procedimentos que pode levar a cabo antes e durante o voo que a vão ajudar a evitar esta desagradável situação:

  • Não coloque bagagem debaixo do assento da frente, pois diminui o espaço e a capacidade de movimento das pernas.
  • Use meias elásticas de compressão (próprias para viagens de avião) para evitar uma vasodilatação venosa e reduzir o perigo de formação de trombos. Use roupa confortável e que lhe permita uma maior liberdade de movimentos.
  • Beba muitos líquidos, nomeadamente água, chá e sumos naturais são as bebidas mais recomendáveis já que hidratam e repõem os sais minerais do organismo.
  • Modere o consumo de bebidas alcoólicas antes e durante o voo, bem como as que contêm cafeína, pois provocam desidratação.
  • Evite sentar-se com as pernas cruzadas para favorecer a irrigação sanguínea.
  • Levante-se com frequência e, se possível, ande um pouco nos corredores do avião.

A síndrome da classe turística é causada por um deficiente retorno venoso (o sangue fica estagnado nas pernas) e caracteriza-se pela formação de coágulos no sangue que se manifestam, com elevada incidência, em passageiros de avião que têm de permanecer muito tempo imóveis em assentos desconfortáveis.

Durante os voos de longa duração, vários são os fatores responsáveis pela estagnação venosa nos membros inferiores com a possível formação de trombos:

  • As veias na região dos gémeos (barriga da perna) e do escavado popliteu (curva do joelho) sofrem uma acentuada compressão.
  • O retorno venoso (regresso do sangue das regiões periféricas para o coração) diminui por causa da menor pressão atmosférica dentro dos aviões.
  • A reduzida humidade do ar aumenta o grau de desidratação do organismo, contribuindo para o aparecimento de fenómenos trombo-embólicos.
  • O espaço existente entre as filas dos lugares dos aviões é muito pequeno, confinando e apertando os passageiros no seu lugar e diminuindo a sua mobilidade.

Existem pessoas mais vulneráveis à formação de trombos nos membros inferiores quando têm de fazer voos de longo curso.

São elas os indivíduos com doença venosa (varizes) ou cardíaca, idosos e grávidas.

Também os fumadores, pessoas com problemas de obesidade ou mulheres que tomem anticonceptivos orais correm maiores riscos de sofrer da síndrome da classe turística.

O risco de trombose prolonga-se até cinco dias após a viagem e poderá ser reduzido através de administração medicamentosa, sempre recomendada por um especialista.

Apesar da gravidade desta doença, as suas causas não estão ainda bem definidas. Conheça as mais recentes descobertas da comunidade científica a esse respeito.

De acordo com um artigo publicado na revista The New England Journal of Medicine, investigadores do Hospital Brigham de Boston criaram um sistema que detecta quais as pessoas mais susceptíveis a desenvolverem coágulos devido à falta de actividade física. Este sistema consiste na criação de um banco de dados sobre análises e sintomas anteriores que permitam identificar pessoas com risco de desenvolver a doença.

Segundo um estudo de uma equipa de cientistas dinamarqueses da Organização Mundial de Saúde (OMS) publicado pela revista The Lancet, os baixos níveis de oxigénio e de pressão do ar podem estar na origem da síndrome da classe turística. Até agora, pensava-se que a causa do problema era estar sentado durante muito tempo nos aviões, com pouco espaço para esticar as pernas.

O serviço médico da companhia aérea Iberia sugere, na sua brochura, alguns exercícios que podem tornar a sua viagem mais confortável e saudável:

  • Incline ligeiramente a cabeça para um lado. Permaneça nesta posição durante três segundos e expire o ar dos seus pulmões.
  • Volte à posição central e faça o mesmo movimento para o lado oposto. Repita três vezes.
  • Estique os braços para cima e inspire, mantendo a posição durante três segundos. Coloque os braços atrás da cabeça e expire. Repita três vezes.
  • Junte firmemente os dedos grandes dos pés e pouse-os no chão enquanto levanta os calcanhares, ficando nesta posição durante três segundos. Depois, pouse os calcanhares e levante os pés. Repita três vezes.
Partilhar este artigo
Referência

Info-Saúde Relacionados