Sarna humanaDoenças da Pele

Atualizado em: Quinta, 04 de Fevereiro de 2016 | 736 Visualizações

Fonte de imagem: correodelsur

A sarna humana é uma doença de pele provocada por um parasita e caracterizada por prurido intenso. Saiba de que forma é transmitida e quais os sintomas a ter em atenção.

A sarna humana ou escabiose é uma doença cutânea infeciosa e contagiosa. É causada por um parasita, mais concretamente um ácaro chamado Sarcoptes scabie, que vive apenas na pele humana. A fêmea escava um túnel na pele, onde deposita os seus ovos, provocando uma reação alérgica.

Os sintomas da sarna humana surgem habitualmente entre 3 a 4 dias após o contágio e podem prolongar-se durante várias semanas. Consulte um médico se sentir:

  • Comichão ou prurido, sobretudo à noite.
  • Erupções cutâneas/Pápulas (semelhantes a picadas) em zonas sugestivas do corpo, sobretudo entre os dedos, nas mãos, axilas, seios, nádegas, genitais e abdómen. Nas crianças mais novas e nos bebés, podem atingir outras zonas, como a cabeça, as palmas das mãos e as plantas dos pés.
  • Descamação e crostas - A sarna crostosa ou norueguesa, a forma mais grave e rara de escabiose, corresponde a uma hiperinfestação por Sarcoptes scabie e atinge essencialmente pessoas com doenças que comprometem o sistema imunitário.

Os sintomas, a apresentação e a localização das lesões cutâneas sugerem o diagnóstico de sarna humana ou escabiose, que é fundamentalmente clínico. Pode haver confusão com outras doenças dermatológicas, como as dermatites. Em caso de dúvida, podem ser recolhidas amostras das lesões e realizada uma observação microscópica para confirmar a presença do parasita.

 

A sarna humana ou escabiose é contagiosa, transmitindo-se através do contacto direto com a pele de alguém que esteja infetado ou, menos frequentemente, pela partilha da mesma roupa ou da mesma cama, podendo, nestes casos, atingir famílias inteiras.

Os animais, designadamente os domésticos, não podem propagar a sarna humana, uma vez que o Homem é o único hospedeiro do parasita responsável pela doença.

Embora não faça distinção entre classes sociais ou hábitos de higiene, a sarna humana é mais comum em pessoas que estão em grande contacto físico com outras, como crianças pequenas e idosos institucionalizados.

Existem algumas medidas que visam prevenir a transmissão da sarna humana, sobretudo em casa, tais como:

  • Lavar toda a roupa interior, pijamas e roupa de cama utilizados em água bem quente;
  • Estender o tratamento ao parceiro e aos outros elementos da família.

O tratamento da sarna humana ou escabiose consiste essencialmente na aplicação de soluções escabicidas de aplicação tópica, isto é, diretamente sobre a pele. Pode ser necessário recorrer a medicamentos com ação sistémica, administrados por via oral, nomeadamente quando a patologia afeta a família inteira ou pessoas institucionalizadas.

Também podem ser prescritos anti-histamínicos para o alívio do prurido e da vontade de coçar, evitando os indesejáveis arranhões e consequente infeção secundária por bactérias.
Alguns sabões, cremes e pomadas são contraindicados, podendo mesmo agravar o problema. Evite a automedicação.

Partilhar este artigo
Referência

Notícias Relacionadas