Febre tifoideDoenças Infecçiosas

Atualizado em: Sábado, 03 de Março de 2018 | 104 Visualizações

Fonte de imagem: Labmedica

A febre tifoide é causada pela bactéria Salmonella typhi ou pela bactéria relacionada, Salmonella paratyphi.

  • A febre tifoide pode ser transmitida pelo consumo de alimentos e água contaminada com fezes ou urina de uma pessoa infectada.

  • As pessoas têm sintomas similares à gripe, às vezes seguidos de delírio, tosse, exaustão e ocasionalmente erupção cutânea e diarreia.

  • As amostras de sangue, fezes, outros líquidos ou tecidos corporais são enviados a um laboratório para fazer cultura das bactérias.

  • Para prevenir a infecção, as pessoas que viajam para áreas onde a febre tifoide é comum devem ser vacinadas e, quando estiverem no local, devem evitar certos alimentos e não beber água que não seja engarrafada.

  • As pessoas infectadas com ou sem sintomas são tratadas com antibióticos.

A febre tifoide é um tipo de infecção causada por bactérias salmonelas.

A febre tifoide é comum em países em desenvolvimento com más condições sanitárias. A maioria dos casos nos Estados Unidos é adquirida ao viajar nesses países.

Salmonella typhi está presente somente em pessoas. As pessoas que são infectadas excretam as bactérias nas fezes e, raramente, na urina. Algumas pessoas infectadas desenvolvem infecção crônica da vesícula biliar ou do trato urinário. Elas continuam a excretar a bactéria nas fezes ou na urina, embora não tenham mais sintomas. Tais pessoas são chamadas portadoras. Assim, elas não sabem se podem transmitir a infecção. Durante o início do século XX, uma cozinheira chamada Mary Mallon transmitiu a febre tifoide para muitas pessoas e tornou-se conhecida como "Typhoid Mary" (Maria Tifoide).

As bactérias podem contaminar alimentos ou bebidas quando as mãos não são lavadas adequadamente após a defecação ou micção. Os suprimentos de água podem ser contaminados quando o esgoto é tratado inadequadamente. As moscas podem transmitir as bactérias diretamente das fezes para os alimentos. Às vezes, a infecção é disseminada por contato direto entre crianças ao brincarem ou entre adultos durante sexo anal-oral.

Assim como todas as bactérias salmonelas, muitas dessas bactérias precisam ser consumidas para a infecção se desenvolver, a menos que o sistema imunológico esteja comprometido ou as pessoas tenham deficiência de ácido gástrico.

Disseminação através da corrente sanguínea

A bactéria se dissemina do trato digestivo para a corrente sanguínea (causando bacteremia) e pode infectar órgãos distantes, como fígado, baço, vesícula biliar, pulmões (causando pneumonia), articulações (causando artrite infecciosa), rins (causando pielonefrite), válvulas do coração (causando endocardite), órgãos genitais, os tecidos que recobrem o cérebro e medula espinhal (causando meningite) e os ossos (causando osteomielite). Essas infecções se desenvolvem principalmente quando as pessoas não são tratadas ou quando o tratamento é tardio.

Tipicamente, os sintomas similares à gripe começam 8 a 14 dias (até 30 dias) após a infecção. Os sintomas de febre tifoide começam aos poucos. As pessoas podem apresentar febre, dor de cabeça, dor de garganta, dores nos músculos e nas articulações, dores abdominais e tosse seca. Elas podem perder o apetite.

Depois de alguns dias, a temperatura chega ao pico de 39 a 40 °C, permanece elevada por mais 10 a 14 dias e volta ao normal durante a quarta semana após os sintomas terem iniciado. Muitas vezes a frequência cardíaca é lenta e as pessoas se sentem exaustas e, por vezes, delirantes.

Durante a segunda semana, uma erupção cutânea com manchas rosadas planas se desenvolve no peito e no abdômen de aproximadamente 10% a 20% das pessoas.

As pessoas podem ficar com prisão de ventre inicialmente, mas depois de 2 semanas pode ocorrer diarreia. Em cerca de 1 a 2% das pessoas, o intestino sofre ruptura (perfuração) ou sangra. Algumas pessoas têm sangramento intenso, às vezes com risco à vida.

Se a infecção for transmitida para outros órgãos, os sintomas dessas infecções também podem se desenvolver.

Em cerca de 8 a 10% das pessoas, os sintomas podem reincidir cerca de duas semanas após a febre ceder.

Sem tratamento, cerca de 12% das pessoas morrem. A maioria das pessoas que morre é desnutrida, muito jovem ou idosa. O estupor (falta de resposta que requer estímulo vigoroso para a pessoa acordar), o coma e o choque são sinais de infecção grave e de prognóstico reservado.

Exame e cultura de amostras de sangue, fezes ou de outros líquidos ou tecidos corporais

Para confirmar o diagnóstico, os médicos coletam amostras de sangue, fezes, urina, outros líquidos ou tecidos corporais e as enviam a um laboratório para fazer o cultivo das bactérias. As amostras são examinadas e testadas para determinar se há bactérias.

Também são feitos testes para determinar quais antibióticos serão provavelmente eficazes (testes de suscetibilidade).

As pessoas que viajam para áreas onde a febre tifoide é comum devem evitar comer vegetais crus e outros alimentos servidos ou armazenados à temperatura ambiente. Geralmente, as pessoas podem consumir com segurança alimentos servidos muito quentes imediatamente após o cozimento, bebidas engarrafadas ou enlatados que estejam vedados, chá ou café quente e frutas que descascaram por si mesmas. As pessoas devem supor que gelo e água (a menos que seja fervida ou tratada com cloro antes de usar) não são seguros. Água engarrafada vedada deve ser usada para escovar dos dentes.

Vacinação

Uma vacina dada por via oral e uma de polissacarídeo dada por injeção podem ajudar a prevenir a febre tifoide. Ambas as vacinas possuem alguns efeitos colaterais. A vacinação é recomendada para:

  • Viajantes a regiões onde a febre tifoide é comum

  • Pessoas que vivem em um domicílio ou que tenham contato estreito com portadores

  • Funcionários de laboratório que trabalham com a bactéria

As pessoas estão geralmente protegidas durante 2 anos após a vacinação por injeção e durante 5 anos após tomar a vacina por via oral. No entanto, elas podem ser infectadas se muitas bactérias forem ingeridas. Nos Estados Unidos, 80% dos casos de febre tifoide ocorrem em viajantes que voltam de partes do mundo em que a febre tifoide é comum. A maioria desses casos poderia ter sido prevenida se as pessoas tivessem sido vacinadas.

  • Antibióticos

  • Para infecções graves, corticosteroides

Quando são usados antibióticos, a febre dura somente 3 a 5 dias, em vez de 3 a 4 semanas, e o risco de morte é reduzido para menos de 1%. A recuperação completa pode levar semanas ou meses.

Os antibióticos preferidos incluem ceftriaxona administrada por injeção, fluoroquinolonas (como ciprofloxacino, levofloxacino ou moxifloxacino) administradas por via oral ou injeção e azitromicina administrada por via oral. O cloranfenicol é usado no mundo todo. Porém, ele pode danificar células na medula óssea que formam células sanguíneas. Além disso, as bactérias Salmonella typhi estão se tornando resistentes a ele.

Se a infecção for grave, também são administrados corticosteroides, principalmente quando as pessoas apresentam delírio, comatose ou estão em choque.

Enquanto as pessoas tiverem febre, aconselha-se repouso na cama. Uma dieta líquida clara pode ajudar a minimizar a diarreia. As pessoas não devem usar aspirina, laxantes e enemas.

Em 10% a 20% das pessoas que recebem antibióticos, a infecção retorna geralmente cerca de 1 semana após o tratamento ser interrompido. Essa infecção é mais leve do que a doença inicial e é tratada da mesma maneira.

Tratamento de portadores

Os portadores devem comunicá-la ao departamento de saúde local e são proibidos de trabalhar com alimentos. Tomar antibióticos durante 4 a 6 semanas pode erradicar a bactéria em muitos portadores. Se os portadores tiverem doença da vesícula biliar, a cirurgia para remover a vesícula biliar pode ser eficaz. No entanto, essa cirurgia não garante que as bactérias serão erradicadas.

Partilhar este artigo
Referência
Por Larry M. Bush, MD, Affiliate Professor of Clinical Biomedical Sciences, Charles E. Schmidt Colle

Notícias Relacionadas