Esclerose múltiplaSistema Nervoso

Atualizado em: Sexta, 08 de Janeiro de 2016 | 922 Visualizações

Fonte de imagem: focus

A esclerose múltipla é uma doença neurológica incapacitante que afecta o sistema nervoso central (encéfalo e medula espinhal). Esta doença é geralmente progressiva, o que significa que se agrava ao longo do tempo.

As células nervosas são normalmente envolvidas por uma bainha isoladora denominada mielina, que ajuda a transmitir os impulsos nervosos.

Na esclerose múltipla, a bainha de mielina fica inflamada ou danificada, o que perturba ou atrasa a condução dos impulsos nervosos. A inflamação deixa áreas de cicatrização denominadas esclerose. A esclerose múltipla pode lesar também as células nervosas (neurónios), além do revestimento de mielina.

A perturbação da condução dos impulsos nervosos na esclerose múltipla provoca diversos sintomas. Pode afectar a visão, a capacidade para mover partes do corpo e a sensibilidade (como é o caso da sensibilidade dolorosa e da táctil).

Os sintomas geralmente são intermitentes no início da doença. Os períodos em que os sintomas se agravam subitamente são denominados surtos e alternam com períodos em que os sintomas melhoram, denominados remissões.

Muitas pessoas apresentam uma longa história de surtos de esclerose múltipla ao longo de várias décadas. Nestes casos, a doença pode agravar-se por etapas, quando ocorrem os surtos. Noutros indivíduos, a doença agrava-se de forma progressiva e, numa minoria de doentes, a esclerose múltipla tem uma evolução quase imperceptível e os doentes passam anos sem surtos.

Os cientistas pensam que a esclerose múltipla é uma doença auto-imune, o que significa que o sistema imunitário ataca erradamente o próprio corpo do doente. Neste caso, são atacadas as bainhas de mielina dos nervos.

Nalguns casos, o factor desencadeante para um surto de esclerose múltipla parece ser uma infecção viral. Outras situações de stress físico ou emocional podem ser também responsáveis pelo surto. A altura da ocorrência, a duração e as lesões provocadas pelos surtos de esclerose múltipla são imprevisíveis.

Os sintomas de esclerose múltipla geralmente começam antes dos 40 anos de idade, mas a doença também pode surgir entre os 40 e os 60 anos. As pessoas com familiares próximos que sofrem de esclerose múltipla têm maior probabilidade de desenvolver a doença. Esta patologia atinge duas a três vezes mais as mulheres do que os homens.

Os sintomas de esclerose múltipla variam, dependendo das áreas do cérebro e da medula espinhal que são afectadas.

A esclerose múltipla pode causar:

  • perda súbita de visão
  • visão turva ou dupla
  • fala arrastada, dificuldade na articulação das palavras
  • diminuição da força, especialmente de um dos lados do corpo
  • marcha instável, perda do equilíbrio
  • perda de coordenação
  • tremores das mãos quando o doente tenta realizar um movimento
  • cansaço extremo
  • sintomas faciais, incluindo entorpecimento, fraqueza ou dor
  • micções imperiosas e frequentes, perda de controlo da bexiga (incontinência urinária)
  • incapacidade para esvaziar a bexiga
  • obstipação (“prisão de ventre”)
  • formigueiros, dor, entorpecimento ou diminuição da sensibilidade nos braços, nas pernas ou noutras zonas do corpo
  • fraqueza ou sensação de peso nos braços ou nas pernas.

O médico irá procurar identificar alterações no exame neurológico, incluindo:

  • alterações visuais
  • dificuldade na marcha
  • dificuldade em coordenar os movimentos corporais
  • fraqueza muscular
  • tremores nas mãos
  • perda da sensibilidade.

Para confirmar o diagnóstico, o médico irá provavelmente pedir uma ressonância magnética nuclear (RMN). Este exame irá verificar se existe inflamação e destruição da bainha de mielina no cérebro e na medula espinhal.

Outros exames diagnósticos incluem:

  • um exame ocular por um oftalmologista
  • exames especiais denominados potenciais evocados, que registam a actividade eléctrica do cérebro gerada por um estímulo periférico num órgão sensorial. Na esclerose múltipla os potenciais evocados visuais são os mais úteis.
  • uma punção lombar, para colheita de líquido cefalorraquidiano (este exame permite a recolha do líquido que envolve a medula e o cérebro através de uma agulha que é inserida entre as vértebras lombares). Este líquido pode revelar tipos anormais de proteínas denominadas imunoglobulinas que constituem um achado característico da esclerose múltipla.

A esclerose múltipla é uma doença crónica para toda a vida que pode apresentar vários padrões evolutivos diferentes.

Os três padrões mais comuns observados nos doentes com esclerose múltipla são os seguintes:

  • Esclerose múltipla recorrente-remitente ou surto-remissão. Existem surtos (episódios em que os sintomas se agravam subitamente), seguidos por remissões (períodos de recuperação). Entre os surtos, o estado do doente geralmente mantém-se estável, sem deterioração. Este padrão corresponde à grande maioria dos casos na fase inicial da doença. Cerca de metade das pessoas com a forma recorrente-remitente entra, com o passar do tempo, numa fase secundariamente progressiva (descrita mais abaixo).
  • Esclerose múltipla primariamente progressiva. Os sintomas agravam-se gradualmente e de forma contínua. Não existem episódios definidos de surtos e de remissões.
  • Esclerose múltipla secundariamente progressiva. Um doente que tinha inicialmente a forma surto-remissão da doença começa a apresentar uma deterioração gradual da função neurológica. Isto pode ocorrer com ou sem surtos.

Não existe forma de prevenir a esclerose múltipla

 

Não existe cura para a esclerose múltipla.

O tratamento dos doentes com esclerose múltipla inclui o tratamento dos sintomas, o tratamento dos surtos e a terapêutica modificadora da história natural da doença.

Terapêutica sintomática (alivia os sintomas da esclerose múltipla):

  • Espasticidade – a rigidez e os espasmos musculares podem ser incapacitantes nos doentes com esclerose múltipla com uma lesão da medula espinhal. Para a espasticidade pode ser prescrito um relaxante muscular (como o baclofeno ou a tizanidina) ou uma benzodiazepina.
  • Tremor – Pode diminuir com a utilização de clonazepam, propranol ou primidona.
  • Disfunção da bexiga – a disfunção da bexiga é comum nos doentes com uma lesão da medula espinhal secundária à esclerose múltipla. O seu tratamento inclui o uso de fármacos (como a oxibutinina) e a auto-algaliação.
  • Depressão – este é um problema comum nos doentes com esclerose múltipla, que pode ser tratado recorrendo a antidepressivos e psicoterapia.
  • Disfunção sexual – As perturbações da função sexual são frequentes nos doentes com lesões da medula, podendo estar relacionadas com causas psíquicas, com a perda da sensibilidade e força muscular e com a espasticidade e dor. Pode ser prescrito sildenafil, tadalafil ou vardenafil.
  • Outros sintomas – os medicamentos anticonvulsivantes diminuem o risco de convulsões repetidas e podem diminuir também outros sintomas neurológicos desconfortáveis que ocorrem durante os surtos de esclerose múltipla. Deste modo, os antiepilépticos (como a carbamazepina e a gabapentina) são úteis em caso de alterações da sensibilidade com formigueiros e dor, assim como alguns antidepressivos (como por exemplo, a amitriptilina).

Terapêutica dos surtos:

  • Medicamentos corticosteróides – Estes fármacos (nomeadamente a metilprednisolona) constituem o tratamento principal dos surtos de esclerose múltipla, sendo frequentemente administrados directamente por via endovenosa. Os corticosteróides parecem diminuir a duração dos surtos e podem acelerar a recuperação. Contudo, o seu efeito a longo prazo sobre a evolução da doença é desconhecido.

Terapêutica modificadora da história natural da doença (tratamentos que permitem a redução da frequência e da gravidade dos surtos e que atenuam a progressão da doença e o grau de incapacidade):

  • Interferão beta – Este medicamento é utilizado principalmente para tratar a esclerose múltipla recorrente-remitente. O interferão beta é administrado sob a forma injectável, quer por via intramuscular quer por via subcutânea. Os estudos demonstraram que o interferão beta pode diminuir a frequência e a gravidade dos surtos de esclerose múltipla, assim como o risco de progressão da doença e de incapacidade.
  • Acetato de glatirâmero – Este medicamento constitui um tratamento alternativo para a esclerose múltipla recorrente-remitente e é administrado diariamente por via subcutânea.
  • Natalizumab – Este tratamento é frequentemente prescrito quando as outras terapêuticas não são eficazes ou toleradas. Este medicamento bloqueia a entrada das células imunitárias no sistema nervoso central, o que pode prevenir a ocorrência de lesões. É administrado mensalmente por via endovenosa. Um efeito secundário raro mas preocupante pela sua gravidade é a possibilidade do fármaco activar um vírus que está presente em cerca de 60% da população na forma inactiva e cuja activação pode provocar uma infecção do sistema nervoso potencialmente fatal.
  • Outros medicamentos modificadores imunológicos – Podem ser utilizados outros medicamentos para controlar a doença, nomeadamente a mitoxantrona, a azatioprina, o metotrexato, a ciclofosfamida e as imunoglobulinas.

A reabilitação também desempenha um papel fundamental no tratamento dos doentes com esclerose múltipla, incluindo o treino da marcha, postura e equilíbrio, fortalecimento muscular, adaptação a canadianas ou cadeira de rodas, uso de ortóteses, treino de auto-algaliação, terapia da fala, terapia ocupacional e reabilitação cognitiva. O acompanhamento dos doentes deverá proporcionar também apoio emocional e social.

Contacte o médico imediatamente se apresentar sintomas sugestivos de esclerose múltipla

 

Uma minoria de pessoas com esclerose múltipla apresenta uma forma relativamente benigna da doença mas a maioria dos doentes evidencia défices neurológicos ao longo do tempo.

A esclerose múltipla é uma doença progressiva que pode persistir durante décadas. O grau de progressão e a eventual incapacidade variam de doente para doente.

Sociedade Portuguesa de Neurologia

Gabinete 404 M/76 - Centro de Escritórios do Chiado, Rua da Misericórdia, 76

1200-273 Lisboa

Telefone / Fax: +351- 213210112

spn.sec@spneurologia.org

http://cgmdesign.fatcow.com/spn/

Sociedade Portuguesa de Esclerose Múltipla

Rua Zófimo Pedroso – 66   1950-291 Lisboa

Telefone: 218 650 480

Fax:218 650 489

E-mail:spem@spem.org

www.spem.org

Associação Nacional de Esclerose Múltipla (ANEM) Rua Júlio Dinis, n.º 247 Gondomar 4420-481 Valbom GDM Telefone: 22 463 19 85

Fax: 22 463 71 60

anem@anem.org.pt

http://www.anem.org.pt

Alto Comissariado da Saúde

http://www.acs.min-saude.pt/

 

Os artigos em que o autor é a Harvard Medical School são propriedade de © 2013 President & Fellows of Harvard College. Todos os direitos reservados.
O Programa Harvard Medical School - Portugal visa fornecer informações de saúde precisas e úteis, para o público em geral. A Harvard Medical School, os editores em Portugal e o Ministério da Saúde não estão envolvidos na prestação de cuidados clínicos, de saúde, psicológicos ou de qualquer outro tipo de serviços profissionais pessoais através deste portal.


Articles in which the author is Harvard Medical School are property of © 2013 President & Fellows of Harvard College. All rights reserved.
Information from the Harvard Medical School-Portugal Program is intended to provide accurate and helpful health information for the general public. It is made available with the understanding that Harvard Medical School, faculty editors from Portugal and the Ministry of Health are not engaged in rendering medical, health, psychological or any other kind of personal professional services on this site.

Partilhar este artigo
Referência
Adaptação Científica:Drª. Ana Correia / Validação Científica:Dr. João de Sá

Notícias Relacionadas

Info-Saúde Relacionados