Doenças ReumáticasOssos, Articulações e Músculos

Atualizado em: Segunda, 18 de Maio de 2015 | 384 Visualizações

A Reumatologia é a especialidade da Medicina que se ocupa do tratamento médico das doenças reumáticas, incluindo o seu estudo, diagnóstico, investigação, prevenção e reabilitação. É reconhecida pela Ordem dos Médicos, tal como a Cardiologia, a Ortopedia ou a Oftalmologia, entre outras.

Existem mais de 100 doenças reumáticas que podem afectar para além do aparelho locomotor (ossos, articulações, músculos e tendões) outros órgãos como o coração, o rim, o pulmão, sistema nervoso, os olhos e a pele.  

  • Artrose
  • Artrite Reumatóide
  • Artrites Infecciosas
  • Tendinites e outras doenças periarticulares
  • Lesões Músculo-Esqueléticas ligadas ao trabalho
  • Osteoporose (e outras doenças ósseas)
  • Lombalgias
  • Lúpus Eritematoso Sistémico
  • Esclerose Sistémica
  • Síndroma de Sjogren
  • Polimiosite-Dermatomiosite
  • Vasculites
  • Gota
  • Espondilite Anquilosante

 .. e muitas outras!

... As doenças reumáticas não são exclusivas dos adultos, podendo surgir na infância e na adolescência?

... Existem doenças reumáticas que afectam o coração, os pulmões, os rins, os olhos, o sistema nervoso e a pele?

... As doenças reumáticas são a primeira causa de baixa e o principal motivo de incapacidade temporária ou definitiva dos portugueses?

 As doenças reumáticas só afectam os idosos.

Mito. As doenças reumáticas afectam pessoas em todas as faixas etárias, incluindo adolescentes e crianças.

As doenças reumáticas são influenciadas pelo clima.

As doenças reumáticas são influenciadas pelo clima.

Mito. A humidade excessiva pode, por exemplo, ser um factor de agravamento de algumas doenças reumáticas, mas não tem a ver com o seu aparecimento nem é um factor determinante.

As "dores reumáticas" são para toda a vida?

Mito. As doenças reumáticas não são sinónimo de sofrimento obrigatório nem de ausência de tratamento eficaz. Os reumatologistas têm ao seu dispor uma vasta panóplia de meios de diagnóstico, tratamento e reabilitação das doenças reumáticas.

As doenças reumáticas só afectam "os ossos".

Mito. Além de afectarem o aparelho locomotor (constituído por articulações, ossos, músculos e tendões), comprometem outros órgãos, como o coração, os rins, os olhos ou mesmo a pele. O Lúpus Eritematoso Sistémico ou a Artrite Psoriática são dois de muitos exemplos.

Como as doenças reumáticas são muito diversas e complexas, há numerosas causas diferentes: estas podem ser de origem degenerativa, em que o aparelho locomotor vai perdendo as suas características originais (por exemplo, a Artrose e a Osteoporose); inflamatória (como a Artrite Reumatóide e a Espondilite Anquilosante); infecciosa (como as artrites reactivas); imunológica (casos de Lúpus Eritematoso Sistémico e Esclerodermia); e metabólicas (por exemplo, a Gota).

O sintoma comum e determinante de manifestação das doenças reumáticas é a dor. Embora a dor esteja presente em todos os quadros de doença reumática, qualquer que seja a sua causa, existem características da dor que a diferenciam e podem ajudar a um diagnóstico mais concreto. Assim, é completamente diferente uma situação em que o doente apenas se queixa de dor quando se esforça ou usa a articulação lesada (dor mecânica) ou um quadro de dor que se agrava com o repouso e com a imobilização. Uma dor reumática que surge de noite e tem a sua maior intensidade de manhã ao levantar (dor inflamatória) constitui um sinal de alerta que deve levar o doente a consultar com rapidez o seu médico assistente.

Consequentemente, certas actividades e movimentos -como andar, elevar um peso ou levantar-se de uma cadeira - podem ser difíceis de fazer. Noutros casos, há calor e inchaço das articulações e sensação de fraqueza ao executar actividades mínimas, como abotoar uma camisa ou escrever.

Como as doenças reumáticas podem afectar outros orgãos para além do aparelho locomotor, as suas manifestações podem ser muito diversas, consoante os órgãos atingidos.

Como em todas as outras patologias, quanto mais cedo uma doença reumática for detectada, maior será a probabilidade de tratamento adequado. Nalguns casos, um diagnóstico tardio pode tornar completamente irreversível o curso de uma doença.

A maior parte das doenças reumáticas tem origem desconhecida, mas a investigação médica tem avançado muito nos últimos anos e os doentes já dispõem de medicamentos eficazes para o controlo ou mesmo remissão de algumas destas doenças.

É importante consultar um reumatologista a partir do momento em que tiver o principal sintoma de qualquer uma das doenças reumáticas: a dor. Quanto mais precoce for o diagnóstico, maior será a probabilidade de controlar eficazmente qualquer uma das doenças reumáticas.

Siga estes conselhos para proteger o seu aparelho locomotor:

  • Tenha uma alimentação equilibrada
  • Evite o excesso de peso, um grande factor de risco para a sua saúde músculo-esquelética;
  • Adopte uma boa postura corporal (mantenha as costas direitas sentado ou em pé; dobre os joelhos para apanhar um objecto do chão; divida a carga pelas duas mãos, no regresso do supermercado, etc.);
  • Escolha sapatos que protejam os pés de deformações e evite saltos muito altos;
  • Compre um colchão que não prejudique a coluna;
  • Faça exercício físico moderado (30 minutos de caminhada é o ideal);
  • Não tome remédios "caseiros" nem medicamentos;
  • Visite o seu médico especialista regularmente. 

Lembre-se!

Um diagnóstico precoce significa ienos lesões e menos dor.

A cada momento, cerca de 2,7 milhões de portugueses sofre de algum tipo de queixas reumáticas, o que equivale a 25,7% da população (1 milhão e 700 mil mulheres, e 970 mil homens).

As doenças reumáticas são das mais antigas e comuns da humanidade. Só na Europa estima-se que 103 milhões de cidadãos sofram de doenças e alterações do sistema músculo-esquelético, um número que não pára de aumentar dado o aumento da população e da esperança média de vida.

É um mito a ideia de que as doenças reumáticas aparecem nas pessoas idosas; mesmo as crianças de colo são afectadas. As formas mais graves, como a Artrite Reumatóide, o Lúpus Eritematoso Sistémico ou a Espondilite Anquilosante, atingem pessoas mais jovens e em idade produtiva, o que se torna muito preocupante para qualquer sociedade.

É muito comum ouvir alguém dizer que "sofre de reumatismo" ou que tem "a doença do reumático". No entanto, esta é uma noção errada porque, supostamente, reduz mais de uma centena de doenças a uma. Na verdade, todas as doenças reumáticas têm um diagnóstico e tratamento específicos (uns mais difíceis do que outros).

Entre os pontos comuns a muitas doenças reumáticas, destacam-se três:

São dolorosas

Muitos doentes têm que viver com dor persistente, durante toda a vida.

Limitam a capacidade funcional

Muitos doentes não conseguem realizar actividades básicas sem ajuda (apertar um botão, abrir uma porta ou conduzir).

São "invisíveis"

A dor, principalmente quando não há deformação articular visível, não é geralmente compreendida pela opinião pública, nem, por vezes, pelos familiares próximos do doente.

Lembre-se!

Se tem dores, rigidez ou inchaço numa articulação, durante um período superiora quinze dias, deve marcar uma consulta com o seu reumatologista.

As doenças reumáticas afectam cerca de 103 milhões de pessoas só na Europa.

Cerca de 10% da população portuguesa sofre de uma doença reumática grave e incapacitante.

As doenças reumáticas são a primeira causa de baixa laboral e o principal motivo de incapacidade temporária ou definitiva dos portugueses.

15 a 20% das reformas antecipadas ou abandono das carreiras profissionais são devidas a doenças reumáticas.

50 a 80% da população apresenta queixas reumáticas.

O diagnóstico atempado e o tratamento precoce e adequado destas doenças reduzem a incapacidade do doente, melhorando a sua qualidade e esperança média de vida.

O Reumatologista é reconhecido pela Ordem dos Médicos como o médico mais habilitado na prevenção, no diagnóstico, no tratamento e na reabilitação das doenças reumáticas.

Partilhar este artigo
Autor
Sociedade Portuguesa de Reumatologia
Referência