Cancro da cabeça e pescoçoCancro

Atualizado em: Domingo, 28 de Janeiro de 2018 | 348 Visualizações

Fonte de imagem: Head and neck cancer

Os tumores da cabeça e pescoço são muito frequentes.

Mais de 90% destes tumores ocorrem em pessoas acima dos 40 anos, embora a sua incidência esteja a aumentar nos mais jovens. Infelizmente muitos são diagnosticados tardiamente o que compromete muito o seu prognóstico.

Por isso é tão importante o diagnóstico precoce e os médicos otorrinolaringologistas têm um papel fundamental no diagnóstico destes tumores numa fase inicial bem como das lesões pré-malignas de forma a permitir um tratamento eficaz.

  • Tumefacção (“caroço”) no pescoço
  • Alterações da voz (rouquidão)
  • Dificuldade ou dor ao engolir persistente
  • Aparecimento de sangue na saliva ou na boca
  • Dor num ouvido persistente, sem doença no ouvido
  • Alterações na pele da face ou do pescoço
  • Outros sinais de alerta podem ser o aparecimento de mancha brancas ou vermelhas nas gengivas, palato, língua ou parede interna da cavidade oral, tumefacção ou ferida do maxilar que cause má adaptação ou desconforto da prótese dentária, infecção crónica dos seios peri-nasais que não responde à antibioterapia, hemorragias nasais de repetição, obstrução nasal permanente de instalação recente, dores de cabeça persistentes, aumento de volume das glândulas salivares ou a paralisia de músculos da face.

Na grande maioria das situações estes sintomas não significam a existência de um tumor mas um exame cuidadoso por parte do seu médico é indispensável para excluir esta hipótese.

É do conhecimento geral que há factores de risco para os tumores que faz com que algumas pessoas estejam mais em risco do que outras. Os principais factores de risco dos tumores da cabeça e pescoço são:

  • Tabaco – o tabaco está associado ao aparecimento dos tumores da cavidade oral, faringe e laringe;
  • Álcool – as pessoas que consomem de forma excessiva bebidas alcoólicas têm maior probabilidade de vir a ter um tumor da cavidade oral ou da faringe e o risco aumenta mais se estas pessoas para além de ingerirem bebidas alcoólicas também fumam;
  • Infecção pelo papiloma vírus (HPV) – algumas estirpes do HPV podem infectar a boca e a garganta e a sua presença pode estar associada ao aparecimento de tumores desta área;
  • Exposição solar – o excesso de exposição aos raios solares esta na origem do aparecimento de tumores desta zona do corpo normalmente muito exposta;
  • Exposição a produtos industriais como madeiras, níquel e outros metais pesados, asbeto ou radioterapia prévia são associados a uma maior incidência de tumores destes territórios;
  • Dieta pobre em vegetais e frutas aparece frequentemente associada a um aumento do risco de desenvolver tumores da cavidade oral e faringe;
  • Má higiene oral – está normalmente associada ao aparecimento destes tumores.

No caso de estar preocupado porque suspeita de que tem algum destes sinais ou sintoma ou considera-se uma pessoa de risco aumentado então deve procurar com brevidade o seu médico otorrinolaringologista porque ele pode fazer-lhe um exame completo para despiste.

Através de uma cuidadosa história clínica, da observação directa de todo o território suspeito ou recorrendo a uma endoscopia das várias regiões durante a consulta e quando necessário realizando exames laboratoriais e imagiológicos (Rx simples, T.C. ou R.N.) para permitir o esclarecimento da situação. Quando a suspeita persiste torna-se necessário recorrer à biopsia para completo esclarecimento da situação.

É bom recordar que o êxito do tratamento dos tumores da cabeça e pescoço depende muito do diagnóstico precoce.

A Unidade de Otorrinolaringologia dispõe de uma equipa de médicos com larga experiência na área oncológica habilitada a fazer o diagnóstico de todas estas situações e o hospital dispõe de todos os meios necessários para o tratamento destas doenças.

Se tem algum destes sinais ou sintomas consulte quanto antes o seu médico otorrinolaringologista, porque mais vale prevenir…

Partilhar este artigo
Referência