AnosmiaOuvidos, nariz e garganta

Atualizado em: Domingo, 20 de Setembro de 2015 | 9506 Visualizações

Muitas vezes associada a perturbações do paladar, trata-se da perda total do sentido do olfato

A anosmia é o termo técnico para a perda total do sentido do olfato. Quando essa perda é apenas parcial (situação mais frequente), dá-se o nome de hiposmia. Dentro das alterações do olfato existem ainda as disosmias, que correspondem a sensações alteradas do olfato. 

Todas estas alterações estão, muitas vezes, associadas a perturbações do paladar. Saiba ainda que cerca de 80% do sabor de uma refeição resulta do input olfativo.

Existem múltiplas causas que justificam alterações de olfato. Podem dividir-se em três grupos: 

- Patologia da mucosa nasal (rinite e/ou sinusite)

- Obstrução da fossa nasal (pólipos, tumores e/ou deformidades do septo nasal)

- Lesões neurológicas (traumatismos crânio-encefálicos, envelhecimento, Alzheimer e/ou neoplasias cerebrais, entre outros)

A doença de Alzheimer e a doença de Parkinson estão associadas a uma diminuição do olfato, sendo que esta alteração é, por vezes, o primeiro sintoma destas doenças.

 

A anosmia é, em si, um sintoma e não uma doença. Reflete a presença de outras alterações patológicas como a rinite ou a sinusite, cujos sintomas são: congestão nasal e rinorreia

 

O diagnóstico começa pelas queixas de perda de olfato e, muitas de vezes, de paladar. Para tentar objetivar a causa tem de se proceder ao exame das fossas nasais, hoje em dia com o auxílio de endoscópios. Os exames imagiológicos podem também ser úteis, como por exemplo a TAC e a RMN. Para caracterizar o tipo de perda de olfato de forma mais específica existem kits com múltiplos odores, que são dados a cheirar ao doente, e assim tentar perceber e qualificar o tipo de perda olfativa.

 

Cada causa tem o seu tratamento. Nas situações de perda olfativa aguda relacionada com infeções virais ou com a alergia, o tratamento passa pelo controlo dessas situações. No caso da polipose nasal, o tratamento cirúrgico pode ser recomendado como forma de desobstrução das fossas nasais. Existem, no entanto, situações de perda olfativa irreversível, como em certos traumatismos crânio-encefálicos, com lesão dos filetes olfativos, e em situações de degenerescência neuronal ou em patologia oncológica

 

Partilhar este artigo
Referência
Revisão científica: Paulo Gonçalves (otorrinolaringologista, coordenador da Comissão de Rinologia da

Info-Saúde Relacionados