AlcachofraPeso e Nutrição

Atualizado em: Domingo, 20 de Setembro de 2015 | 74 Visualizações

As propriedades terapêuticas de uma planta inimiga do colesterol

Os estudos científicos demonstraram que a alcachofra (320 a 640 mg/dia) reduz em 40% os sintomas de dispepsia após dois meses em 454 pacientes, revelou a Phytomedicine em 2002. 

No tratamento do colesterol, a dose diária de 1800 mg de alcachofra diminuiu, ao fim de seis semanas de tratamento, o colesterol total em 18,5% (8,6% no placebo) e o LDL em 22,9%, de acordo com um estudo Arzneimittelforschung de 2000.

- Utilize os corações de alcachofra em saladas ou como substituto do bacalhau, juntamente com o alho francês, no bacalhau à Braz vegetariano.

- Em vez de água durante as refeições, beba um chá com 1 colher de sopa de alcachofra, cardo-mariano e boldo. Se também tiver gases, junte 1 colher de chá de sementes de funcho.

Não deve ser utilizada por mulheres a amamentar, pois diminui a produção de leite. Na litíase biliar só pode ser utilizada sob acompanhamento de um naturopata ou médico.

 

Em xarope, recomenda-se a toma de 1 a 2 ml por dia, em comprimidos 0,5 a 2 g por dia, durante as refeições. Embora muitas vezes se utilize somente a folha, é preferível usar a planta por inteiro.

É também consumida como legume, podendo ser encontrada fresca em supermercados. É um alimento rico em vitaminas B3, C e K, além de betacaroteno, ácido fólico, cálcio e ferro.

Diminui os níveis de colesterol, podendo ser combinada com alho, policosanol ou gugul. Estimula a diurese, sendo utilizada em muitos regimes de emagrecimento

 

A alcachofra está indicada para más digestões, enfartamentos, gases e dispepsias. Dada a sua capacidade regeneradora do fígado, pode ser utilizada em caso de intoxicações crónicas por má alimentação ou por utilização excessiva de medicamentos ou álcool. 

Melhora o funcionamento da vesícula biliar, aumentando e fluidificando a bílis, ação que também ajuda a melhorar o trânsito intestinal e a tratar a vulgarmente chamada de vesícula preguiçosa.

Oferece cinarina que baixa o colesterol juntamente com a pectina, fibra laxativa que também evita a formação de placas de ateroma, reduz a absorção de gorduras e glicose. Também contém potássio que ajuda a eliminar o excesso de sódio, sendo drenador

 

Partilhar este artigo
Referência
João Beles (naturopata e coordenador do curso de Naturopatia do Instituto de Medicina Tradicional d

Notícias Relacionadas