O CMV - Centro de Medicina do Viajante do BANCO DA SAÚDE, conta com uma equipa altamente qualificada, constituída por médicos especializados e técnicos auxiliares.

CMV: 

  • Consulta do Viajante 
  • Entrega de Manual de Prevenção/Procedimentos
  • Exames Complementares de Diagnóstico, caso exista necessidade. 

 Marcação da Consulta : 239 722 415 / (+351) 92 621 97 25  

Disponiblidade de marcação de segunda a sexta-feira entre as 09:00 e as 18:30

Uma das características mais marcantes da sociedade moderna é a mobilidade das pessoas. Cada vez se viaja mais por lazer, aventura, motivos profissionais, familiares, de voluntariado, ou outros.

Às viagens associam-se frequentemente riscos para a saúde específicos tantas vezes evitáveis (ex.: doenças tropicais como a malária).

A consulta de saúde do viajante destina-se a quem vai viajar para fora da Europa, especialmente para regiões tropicais. Pretende alertar para os principais riscos do destino, os cuidados a ter durante a viagem para minimizá-los, bem como a vacinação e/ ou medicação preventiva que é necessário fazer antes de partir.

Na Consulta, o Viajante obtém informação sobre os riscos de saúde relacionados com a sua viagem, obtendo aconselhamento médico orientado para as atitudes e medidas preventivas antes, durante e após a viagem.

Deve ser feita, pelo menos, três semanas antes da viagem. O paciente deve informar o especialista sobre o seu historial médico e a medicação que está a tomar.

Pode levar consigo eventuais relatórios médicos que considere importantes e é fundamental apresentar o boletim de vacinas.

É realizada por médicos especialistas em infecciologia , medicina tropical ou saúde pública.

Para que servem as consultas do viajante?

O aconselhamento ao viajante, efectuado por médicos com competência na área, é determinado pelo destino e características específicas da viagem, assim como pelo perfil e estado de saúde do Viajante (avaliação individual dos riscos associados à viagem) e pretende aconselhar os viajantes sobre as medidas preventivas a adoptar antes, durante e depois da viagem. Tais como:

  • A vacinação
  • Prevenções medicamentosas
  • Medidas de higiene individual, da água e dos alimentos, nomeadamente como actuar em caso de diarreia
  • Cuidados a ter com as temperaturas extremas e com a luz solar
  • Informação sobre as condições locais de assistência médica e segurança
  • Aconselhamento sobre a farmácia individual do viajante que deverá levar para a viagem
  • Informação sobre risco e prevenção da malária, assim como recomendação e prescrição de profilaxia para a malária, quando indicado
  • Informação sobre outras doenças endémicas e sua prevenção geral ou específica, consoante indicado
  • Aconselhamento específico a viajantes com características especiais (crianças, grávidas, idosos) ou com doença crónica

A Consulta do Viajante deve ser realizada, de preferência, 4 a 6 semanas antes da data da partida, mas pode ser muito útil mesmo se realizada na véspera da partida. Para a consulta, o Viajante deve levar, o cartão de cidadão, o boletim de vacinas, a listagem da sua medicação regular, assim como qualquer documentação médica que considere relevante.

Consulta Pós – Viagem

Prestar assistência médica aos viajantes depois da viagem, não só para diagnosticar possíveis problemas de saúde contraídos durante a deslocação (incluindo "check up" laboratorial), mas também como controlo periódico de indivíduos com longas estadias em áreas onde o risco de contrair uma doença é maior.

A probabilidade de ocorrência de um problema de saúde depende dos problemas de saúde pré-existentes, do destino da viagem, da duração da viagem, das condições de alojamento, da adesão às medidas preventivas.

A Organização Mundial de Saúde recomenda a realização de exame médico após o regresso de uma viagem internacional nos seguintes viajantes:

  • viajantes portadores de doença crónica (por ex. doença cardiovascular, diabetes mellitus, doença respiratória crónica);
  • viajantes com manifestações clínicas nas semanas seguintes ao regresso a casa,particularmente em caso de febre, diarreia persistente, vómitos, icterícia, alterações do foro génito-urinário, doenças dermatológicas;
  • viajantes que consideram que estiveram expostos a uma doença infecciosa grave durante a viagem;
  • viajantes que estiveram mais de 3 meses num país em vias de desenvolvimento.