O açúcar que aumenta apetiteNotícias de Saúde

Sábado, 20 de Dezembro de 2014 | 95 Visualizações

O açúcar tem prós e contras estudados. Mas a frutose pode estar, sem sabermos, a 'brincar' com o nosso cérebro

Num estudo recente, da autoria de Kathleen Page, professora assistente de medicina da Escola de Medicina Keck, da Universidade do Sul da Califórnia, foi oferecida a 24 indivíduos uma mistura de açúcar/água, com dois tipos de açúcar: a glucose ou a frutose. 

Cada bebida continha 75 gramas de glucose ou frutose. O objetivo do estudo era observar como o cérebro respondia ao açúcar. Para tal foram mostradas fotografias de comida (e também de elementos não comestíveis). Os 24 indivíduos que participaram no estudo tiveram a possibilidade de beber ambas as misturas.

Após ingerirem a mistura de frutose, foi detetada maior atividade em determinadas regiões cerebrais no momento em que olhavam para as fotografias da comida. O mesmo efeito não foi sentido aquando a ingestão da glucose. Page, a investigadora responsável pelo estudo, referiu que esta reação pode estar relacionada com o facto de a frutose ter efeitos não supressivos em matéria de apetite. O efeito adverso é a motivação para que as pessoas continuem a comer, embora já tenham consumido as calorias necessárias.

As descobertas estão ainda em fase de testes, mas o comportamento do cérebro sob o efeito da glucose foi o esperado pelos cientistas. Ao contrário da frutose, a glucose ativa menos regiões cerebrais.

Alguns especialistas afirmaram que açúcar é açúcar e que, independentemente de ser frutose ou glucose, é igualmente mau para o organismo. Mas este estudo sugere que a glucose e a frutose têm efeitos distintos pela razão de terem formas de processamento diferentes quando ingeridas. A glucose é o açúcar que circula na corrente sanguínea e é regulado pelo metabolismo, libertando hormonas como a insulina e outras que ajudam à sensação de saciedade. A frutose, por sua vez, é extraída da corrente sanguínea diretamente para o fígado, onde é processada. 

Partilhar esta notícia
Autor
Visão
Referência
Kathleen Page

Notícias Relacionadas

Info-Saúde Relacionados